Rádio Vila Nova 98.3 FM - A Emissora da Comunidade 
#

Brasil e Bélgica voltam a se enfrentar em uma Copa do Mundo. Confronto, marcado para as 15h desta sexta-feira (6), em Kazan, será a segunda vez em que as suas seleções se enfrentam em um Mundial. Quem perder está fora.  A seguir, confira cinco motivos que vão fazer você não querer perder a partida:  

1) Revanche?

Os dois times se enfrentaram apenas uma vez na história da competição, nas oitavas de final da edição de 2002, curiosamente, quando Luiz Felipe Scolari e seus comandados conquistaram o pentacampeonato para o Brasil. Apesar da vitória por 2 a 0, esse foi considerado o confronto mais difícil para os brasileiros durante a campanha do título. Depois de uma fase de grupos em que não teve muitos problemas, com três vitórias e nenhum ponto perdido, o Brasil encarou o forte e organizado time belga. 

O primeiro tempo foi marcado por muito equilíbrio, com as duas equipes tendo possibilidades de abrir o marcador. Mas aos 35min veio o lance mais polêmico. Wilmots marcou de cabeça a favor dos belgas após mais um cruzamento na área brasileira. No entanto, o árbitro deu falta do atacante no zagueiro Roque Júnior e anulou o gol, revoltando jogadores da Bélgica. 

No segundo tempo, o Brasil continuou com dificuldades para sair jogando, muito pela marcação alta dos belgas, que pressionavam e davam poucos espaços para os brasileiros. Quando a Bélgica estava mais perto de fazer o primeiro gol, o Brasil conseguiu fazer 1 a 0 graças à individualidade e talento de Rivaldo. Com a vantagem, a equipe de Felipão mudou de postura e teve mais tranquilidade para fazer o segundo com Ronaldo, faltando quatro minutos para o fim, e fechar a conta a favor dos que seriam pentacampeões mundiais.

2) Duelo Neymar x Hazard

Frente a frente nesta sexta-feira (6), na Arena Kazan, estarão dois candidatos a craque da Copa da Rússia. De um lado, buscando o primeiro título mundial para a badalada — e por vezes contestada — geração belga, está Eden Hazard. O camisa 10 foi eleito pela Fifa o melhor jogador na partida contra o Japão — duelo que credenciou os diabos vermelhos para enfrentarem a Seleção Brasileira nas quartas de final do Mundial — e no confronto contra a Tunísia pela fase de grupos, quando fez dois gols. Já a seleção com cinco títulos mundiais é regida por Neymar, estrela do Barcelona e do Paris Saint Germain, que na Copa tem dois gols, um marcado contra Costa Rica e outro no México, pelas oitavas de final, quando foi escolhido pela Fifa o melhor jogador da partida.

3) Observar a geração belga

Você provavelmente já leu ou ouviu sobre a geração belga, grupo de jogadores considerado de qualidade técnica bem acima da sua média histórica. Entre eles estão Kevin de Bruyne, o maestro do Manchester City, Thibaut Courtois que há anos é um dos melhores goleiros do planeta e Eden Hazard, estrela do Chelsea. Também merecem destaque Toby Alderweireld e Jan Vertonghen, que formam a sólida zaga do Tottenham, e o artilheiro do Manchester United, Romelu Lukaku. 

Mesmo recheada de destaques, a geração belga passou a ser questionada por não ganhar títulos. Na última Copa do Mundo, foi eliminada nas quartas de final pela Argentina. Na Eurocopa de 2016, decepcionou ao cair ante País de Gales. Além disso, jamais emplacou um dos seus astros como finalista do prêmio de melhor do planeta. Na Copa da Rússia, a Bélgica tem merecido mais elogios do que críticas. A seleção passou sem sustos pelos seus dois primeiros compromissos (Panamá e Tunísia), e bateu a Inglaterra por 1 a 0. Mas o questionamento veio quando saiu perdendo para o Japão, nas oitavas de final, por 2 a 0 e só conseguiu a vitória no último minuto de jogo. 

4) Melhor ataque contra uma das melhores defesas

A Bélgica tem o melhor ataque da Copa da Rússia, com 12 gols. Na estreia, aplicou 3 a 0 no Panamá com dois gols de Lukaku. No segundo jogo, bateu a Tunísia por 5 a 2. Lukaku fez mais dois gols que o deixaram na briga pela artilharia. No encerramento da fase de grupos, os reservas da seleção belga venceram a Inglaterra por 1 a 0. Chegaram, então, às oitavas de final, onde bateram o Japão por 3 a 2. O Brasil tem o quarto melhor ataque, com sete gols. Por outro lado, tomou apenas um gol, contra a Suíça, na estreia na Copa. Desempenho defensivo garante à Seleção Brasileira a melhor defesa ao lado do Uruguai.

5) Duas seleções invictas

Brasil chega às quartas de final com três vitórias, contra Costa Rica, Sérvia e México, e um empate, diante da Suíça. A Bélgica tem 100% de aproveitamento. Venceu Panamá, Tunísia e Inglaterra na fase de grupos e bateu o Japão nas oitavas de final.

Jornal Diário Catarinense 05/07/2018